Como Focar a Estratégia de Inovação com o Modelo dos Três Horizontes

Aprenda a usar o Modelo dos Três Horizontes da McKinsey para o planejamento de alto nível do crescimento e inovação dos negócios.

Antes, discutimos o mapa estratégico como uma estrutura para a articulação da estratégia de inovação. E que acontece com outras estruturas populares? Elas certamente ajudam a organizar pensamentos de alto nível sobre inovações e a formular uma visão panorâmica da estratégia de inovação de uma companhia.

Diagrama do Modelo dos Três Horizontes com a Regra 70-20-10 Aplicada

Neste artigo, sugiro discutir:

  • O Modelo dos Três Horizontes da McKinsey e
  • A Estrutura de Transformação Dupla

Modelo dos Três Horizontes

O Modelo de Três Horizontes da McKinsey define três perspectivas (horizontes) a serem observadas. O modelo destaca que cada um dos três horizontes deve existir na organização ao mesmo tempo.

Assunto Escopo de tempo Plano de inovação
Horizonte 1 Negócio principal Agora Inovando o modelo de negócios existente.
Horizonte 2 Ampliando negócios Curto prazo Inovar ao atingir objetivos na “zona de conforto.”
Horizonte 3 Novos negócios Futuro Focar-se em tendências que podem se tornar disruptivas.

Décadas depois da sua criação, o modelo foi amplamente analisado por especialistas em negócios, que encontraram alguns desafios que você precisaria enfrentar ao adotar essa estrutura.

Desafio 1 – Mudança nos limites de tempo

A ideia inicial[1] apresentado em 1999, diz que os horizontes deveriam ser definidos por limites de tempo:

  • A prazo mais curto para melhorias incrementais (horizonte 1) e
  • A prazo mais longo (em anos) para o desenvolvimento de tecnologias disruptivas (horizonte 3).

Como foi observado por Steve Blank [2], os exemplos atuais de negócios disruptivos mostram que já não é sua hora. Respectivamente, não podemos dizer com certeza se as iniciativas de hoje estão focadas em só um horizonte. A função do produto em que você está trabalhando no momento pode ser uma pequena melhoria ou tornar-se uma mudança estratégica e disruptiva para sua organização.

Desafio 2 – Distribuição de Recursos

O Modelo dos Três Horizontes ajuda a visualizar uma vista superior da alocação de recursos. O diagrama clássico é apresentado com horizontes de tamanhos iguais, enquanto a abordagem mais realista é aplicar uma regra 70-20-10, na qual 70% do tempo/recursos são gastos no Horizonte 1, 20% no Horizonte 2 e 10% no Horizonte 3, respectivamente.

Outra ferramenta útil nesse contexto é a análise do VRIO. Pode ser usada para entender a importância de desenvolver certos recursos e capacidades.

Desafio 3 – Horizonte 2 Vácuo

Outra dificuldade conhecida de aplicar o modelo Horizontes na prática é o chamado vácuo do Horizonte 2. [3]. Comparando o Horizonte 1 com os processos bem definidos e o Horizonte 3 com todos os especialistas em negócios ao redor, as ideias do Horizonte 2 são frequentemente subrepresentadas nas reuniões do conselho.

O Modelo dos Três Horizontes no BSC Designer

O Modelo dos Três Horizontes está disponível como uma das estruturas nos modelos pré-instalados no BSC Designer.

Você encontrará lá as perspectivas (horizontes) com as perguntas correspondentes:

  • Horizonte 1. Como mantemos e fortalecemos os negócios principais?
  • Horizonte 2. Como desenvolvemos novas oportunidades e expandimos os negócios?
  • Horizonte 3. Como nos preparamos para os desafios disruptivos?

Padrão do modelo dos três horizontes no BSC Designer

Ver Ver Padrão do Modelo de Três Horizontes online no BSC Designer Padrão do Modelo de Três Horizontes online - inscreva-se com um plano grátis para acesso imediato aos 23 modelos de scorecards.

Adicionamos exemplos das metas ao padrão:

  • Meta do H1: Melhorar as atividades principais da empresa
  • Meta do H2: Explorar as oportunidades para atingir novos clientes
  • Meta do H3: Analisar a mudança de hábitos do cliente

Validar as conquistas de negócios por medição de desempenho é um dos pilares da metodologia do modelo de horizonte da McKinsey. Respectivamente, as metas dos horizontes devem ser quantificadas e medidas por métricas adequadas.

No padrão, usamos métricas comuns como:

  • “Métricas de alocação de recursos” e “Métricas de eficácia” para a meta H1
  • “Métricas de análise de mercado” e “Métricas de penetração no mercado” para a meta H2
  • “ Consciência cultural inovadora” e “Protótipos e startups de sucesso” para a meta H3

Você pode encontrar mais exemplos de KPIs comuns na seção de exemplos no nosso site, nós também discutimos os exemplos específicos das métricas para inovações.

Alternativas ao Modelo dos Três Horizontes

Uma moderna Estrutura de Transformação Dupla (livro publicado em 2017) [4], sugere uma abordagem diferente para pensar em inovações. Essa estrutura sugere focar no A e B da inovação, onde:

  • A mantem os negócios atuais
  • B foca-se nos desafios de amanhã

Esses dois são colados pelos Links de recursos – um conjunto de habilidades e recursos exclusivos.

Outra modificação do modelo dos Três Horizontes foi apresentada por Christian Terwiesch e Karl Ulrich nos Torneios de Inovação.[5] O diagrama mudou para ter “mercado” e “tecnologia” nos eixos, mas a ideia central permaneceu na mesma.

Combine as Estruturas de Inovação com o Mapa Estratégico

Os resultados dessas estruturas podem ser refletidos no mapa estratégico:

  • As metas do Horizonte 1 e do Horizonte 2, além das ideias da categoria A (Estrutura Dupla), provavelmente irão para a “Perspectiva interna.”
  • As metas do Horizonte 3 e da categoria B da estrutura Dual provavelmente corresponderão às perspectivas de “Aprendizado e Crescimento” no mapa estratégico.

Quais estruturas de inovação são usadas na sua organização? Quais são suas conclusões sobre a aplicação bem-sucedida destas estruturas?

O que se segue?

  • Modelos de acesso. Registe-se com um plano grátis na BSC Designer para ter acesso imediato a 23 modelos de scorecards, incluindo o Padrão do Modelo dos Três Horizontes discutido neste artigo.
  • Competências Chave. Veja gratuitamente o tutorial em vídeo para a Balanced Scorecard. Domine as suas competências de planeamento e execução de estratégias com a formação Execução Estratégica.
  • Automatizar. Aprenda o que o software Balanced Scorecard é e como pode facilitar a sua vida, automatizando a execução de estratégias, KPIs e mapas de estratégia.

Mais exemplos do Balanced Scorecard

8 PASSOS Para Criar um Mapa de Estratégia do BSC Designer

Tabela Comparativa de Estruturas de Planejamento Estratégico

No contexto do planejamento estratégico, existem dois tipos de estruturas:
  • Estruturas de execução da estratégia. Como o Balanced Scorecard para a estratégia geral e a estrutura OKR mais leve para desafios específicos.
  • Estruturas de formulação de estratégias. SWOT, Three Horizons, Constraints Analysis, PESTEL, Gap Analysis, etc. que ajudam as organizações a gerar novas ideias.
Confira a tabela de comparação para as estruturas de planejamento estratégico.
Tabela Comparativa de Estruturas de Planejamento Estratégico

Referência

Perito em Scorecards | Palestrante | Autor

A BSC Designer é um software de Balanced Scorecard que está a ajudar as empresas a melhor formularem as suas estratégias e a tornarem o processo de execução da estratégia mais tangível com KPIs.

Se você preferir receber posts como esses por e-mail, assine nossa newsletter.

Como os Empresários utilizam a BSC DESIGNER

Strategy map
Capta as suas ideias acerca da estratégia num mapa estratégico
KPIs
Rastreie os indicadores de resultados e tendências para calcular o desempenho
Initiatives
Envolva os colaboradores na execução da estratégia e mantenha a equipa responsável
Posted in Artigos